revista marxismo21

marxengels

I. Programa da revista marxismo21.

 Com mais de quatro anos de existência, o blog marxismo21 vem conseguindo enfrentar o desafio apresentado na sua proposta de fundação: fomentar “uma orientação democrática, não sectária e pluralista” no campo do marxismo brasileiro, sem privilegiar “nenhuma tradição teórica, nem se filiar a qualquer corrente político-partidária”. Exemplo disso são as constantes postagens que abarcam diferentes perspectivas teóricas presentes no marxismo.

Porém, até agora, a sua característica central é a de ser um acervo à disposição da pesquisa marxista brasileira, pois quase todo o material utilizado já está disponível na Internet. Exceções têm sido os dossiês sobre temas conjunturais – que contribuem para organizar e alimentar o debate com uma maioria de trabalhos ainda inéditos – e a seção Resenhas com textos igualmente inéditos, e que buscam contribuir para estimular a discussão crítica entre autores marxistas.

Visando dar um salto de qualidade na sua intervenção na luta de ideias no Brasil, marxismo21 se propõe agora a lançar uma nova revista virtual que, além das características acima mencionadas de seu trabalho editorial, se oriente pelas seguintes preocupações:  ler mais

II. Chamada de artigos no. de revista. Tema: “Marxismo e o Brasil de hoje”.

 O marxismo chega ao Brasil sob a influência da Revolução Russa de 1917, completando, agora, 100 anos de uma longa e produtiva caminhada. Em 1923, é lançada a primeira edição brasileira do Manifesto do partido comunista, de Marx e Engels, a partir da versão francesa de Laura Lafargue. Pouco depois, são editadas algumas traduções diretas do idioma alemão das obras de Marx e Engels: Salário, preço e lucro; Do socialismo utópico ao socialismo científico; A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Mas a primeira edição brasileira integral de O Capital só aparece ao final dos anos sessenta.

Entre os entraves para uma maior divulgação e recepção do marxismo no Brasil, menciona-se a superficialidade e o ecletismo dos intelectuais brasileiros, por um lado; e, por outro, o chamado “praticismo” dos militantes socialistas, mais preocupados com a execução de tarefas políticas imediatas do que com a leitura e o estudo dos textos teóricos fundamentais do marxismo. ler mais

III. Normas para a submissão de textos.

Editoria de marxismo21 / 4 de fevereiro de 2017

Esta entrada foi publicada em Especiais. ligação permanente.