Marx, Espinosa e Darwin. Pensadores da imanência

0

Marx, Espinosa e Darwin: pensadores da imanência, Maurício Vieira Martins, Rio de Janeiro: Consequência, 2017, por João Maurício Martins de Abreu, Doutor em Direito, PUC-Rio.

A centralidade da análise deve caber ao real histórico, e não aos pensadores, por mais brilhantes que eles sejam. As dificuldades e os impasses do século XXI demandam tratamento próprio: é tarefa nossa, que deve ser enfrentada com os recursos que dispomos. Dentre eles, além das forças sociais vivas dos agentes, há também os recursos oferecidos pelo patrimônio categorial já elaborado anteriormente. (Martins, 2017: 88)

I.

Títulos classificatórios, indicativos de assuntos, encobrem conteúdo de fogo neste livro, que se divide em dez capítulos e é o volume 3 da Coleção do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas sobre Marx e o Marxismo (NIEP-Marx), da Universidade Federal Fluminense. Conforme a leitura avança, fortalece-se a cada passo a imagem de uma construção, paciente e firme, de potente projeto de afirmação da ciência e transformação política, sobre sólidas bases filosóficas.

A base filosófica desse projeto é o conceito de imanência, incorporado de Espinosa, com decisivos reparos e contribuições da ontologia e antropologia de Marx, bem como das aquisições teóricas e empíricas das ciências da vida, desde Darwin. Espinosa, Marx e Darwin são pensadores da imanência porque afirmam, em comum, o existente em si e por si, ou seja, como princípio de toda realidade e conhecimento verdadeiros. Trata-se, então, de retirá-los do confinamento e mediar um rigoroso diálogo, a partir do olhar contemporâneo, para “manter uma relação afirmativa com o legado categorial dos melhores momentos das filosofias anteriores” (Martins, 2017: 34). O tema, portanto, prevalece aos autores, mesmo que uma perspectiva marxista permeie todos os textos. Como se processa o devir do real e quais são os meios e condições da ação dos homens para a modificação do processo? São questões como essas que Maurício Vieira Martins enfrenta nos capítulos mais marcadamente filosóficos do livro, com o apoio do legado de Espinosa, Darwin e principalmente de Marx.

            Vejamos alguns exemplos. ler mais

Comments are closed.

Powered by themekiller.com